A cerveja Budweiser, da Ambev, terá toda sua produção e distribuição no Brasil feita 100% com energia limpa até 2022. A Bud vai construir um parque eólico na Bahia com aproximadamente 1.600 hectares e potência superior a 80 MW. A expectativa é que ele fique pronto no início de 2022 e abasteça 100% das cinco cervejarias que produzem Budweiser no país. Com essa iniciativa, no total, 20 mil toneladas de dióxido de carbono deixarão de ser emitidas a cada ano. O valor é equivalente a retirada de circulação de 35 mil carros das ruas no mesmo período.

O anúncio do projeto do parque eólico, que será construído em parceria com a Casaforte Investimentos, é mais uma iniciativa da Cervejaria Ambev para atingir seus compromissos relacionado a ações climáticas. De acordo com Rodrigo Figueiredo, vice-presidente de Sustentabilidade e Suprimentos da Ambev, o parque eólico é mais um passo da Cervejaria rumo à uma operação abastecida 100% com energia limpa. Ele espera que isso motive outras empresas e marcas a se engajarem. Bruna Buás, diretora de Marketing da Budweiser, lembra que a marca há mais de 140 anos é conhecida pelo seu pioneirismo e ser totalmente produzida e distribuída com energia limpa é uma novidade para o meio cervejeiro do país abre caminhos para um futuro melhor, mantendo sua essência.

O parque será construído em parceria com a Casaforte Investimentos. Ela é uma gestora de investimentos em private equity que atua desde 2009 no desenvolvimento, financiamento, implantação e operação de projetos de energia renovável no Brasil. Para Kristopher Dowlin, diretor e sócio responsável pela área de energia na Casaforte, a parceria com a Ambev proporciona uma economia relevante nas despesas de energia, alinhada aos compromissos com o meio ambiente e o desenvolvimento econômico. Segundo ele, as soluções customizadas de fornecimento de energia renovável da Casaforte são estruturadas em conjunto com os clientes. Além de serem totalmente sustentáveis, carregam tecnologia de ponta e têm preços muito competitivos.

Em 2018, a companhia se comprometeu a comprar 100% da eletricidade das suas operações a partir de fontes renováveis, além de reduzir 25% das emissões de carbono em toda a cadeia de valor, ambos até 2025. Para isso, a cervejaria vem realizando iniciativas pioneiras que diversificam sua matriz energética. Entre elas, está a parceria com a Volkswagen Caminhões & Ônibus para o primeiro caminhão 100% elétrico da América Latina, com zero emissão de CO2, NOX e microparticulados. Outro anúncio recente foi a construção de 31 usinas solares no país, com capacidade para abastecer todos os 94 centros de distribuição direta da companhia.

 

Fonte: Canal Energia.

A Agência Nacional de Energia Elétrica aprovou nesta terça-feira (12) o edital do leilão de transmissão de 2019, com alguns ajustes recomendados pelo Tribunal de Contas da União. O certame previsto para 19 de dezembro será realizado pela bolsa B3 em um hotel na zona sul de São Paulo, cujo nome será informado nos próximos dias em comunicado relevante da Comissão Especial de Licitação.  A sede da bolsa está em obras.

No certame serão ofertados 12 lotes com 33 empreendimentos nos estados do Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, São Paulo e Rio Grande do Sul. Os projetos somam 2.380 km de linhas de transmissão, com prazos de conclusão de 36 a 60 meses e investimento previsto de aproximadamente R$ 4 bilhões. A remuneração (Wacc) dos empreendimentos será de 7,84% em valores médios.

Uma das novidades do edital é a mudança nos procedimentos para execução das garantias de fiel cumprimento e para aplicação de penalidades por atraso na implantação no empreendimento. Tanto o edital quanto o contrato de concessão passam a prever explicitamente a aplicação de multa por descumprimento do cronograma da obra, com a execução da garantia caso não seja feito o pagamento da penalidade pela transmissora. O próprio contrato de seguro garantia terá de prever a indenização independentemente de comprovação de prejuízo.

Outra mudança é a redução de 12 para seis meses do prazo para assinatura dos Contratos de Compartilhamento de Infraestrutura (CCI) e a obrigatoriedade de formalização prévia do Contrato de Uso do Sistema de Transmissão das Distribuidoras com o Operador Nacional do Sistema Elétrico.

O contrato de transmissão também vai explicitar que a possibilidade de antecipação da entrada em operação da linha é risco do negocio do empreendedor. Os investimentos realizados terão de ser amortizados e depreciados no prazo de vigência do contrato de concessão, á exceção dos que forem autorizados durante o contrato pela Aneel.

Tribunal

A versão final do documento com as regras do leilão inclui adaptações recomendadas pelo Tribunal de Contas. O TCU apontou inconsistências na apuração dos investimentos previstos para os empreendimentos dos lotes 2, 9 e 10, assim como nos parâmetros usados na modelagem dos fluxos econômico-financeiro dos lotes 3 e 6. As alterações resultaram na revisão dos valores da Receita Anual Permitida dos empreendimentos. A Aneel alterou ainda o prazo para entrada em operação comercial do Lote 8, que passou de 42 para 48 meses. 

 

Fonte: Canal Energia.

A Eletrobras registrou lucro líquido de R$ 716 milhões no terceiro trimestre de 2019. Com isso a empresa reverteu o prejuízo de R$ 2,2 bilhões reportado no mesmo período do ano passado. A receita operacional líquida chegou a R$ 7,2 bilhões no trimestre, crescendo 9,8% em relação ao terceiro trimestre de 2018. O resultado ebitda (resultado antes de juros, impostos, depreciação e amortização) foi de R$ 2,76 bilhões, superando em 303% os R$ 686 milhões do mesmo trimestre de 2018.

De acordo com a estatal, o resultado foi impactado pelo aumento de R$ 1 bilhão de receita, com destaque para o começo do fornecimento do contrato de comercialização da UTE Mauá 3 e a GAG melhoria (custo anual de geração), de R$ 250 milhões, referentes às usinas que prorrrogaram as suas concesõoes com base na lei 12.783/2013, assim como a redução do seu PMSO recorrente em cerca de 17%, o que representa redução de cerca de R$ 371 milhões no trimestre.

No acumulado do ano o lucro da Eletrobras está em R$ 7,6 bilhões, revertendo o prejuízo de R$ 404 milhões reportados até setembro de 2018. A receita líquida até setembro é de R$ 20,3 bilhões, valor 9,54% acima do ano passado. Já o ebitda, que no final de setembro do ano passado era de R$ 6,76 bilhões, cresceu 4,3%, ficando em R$ 7,05 bilhões. Em 2019, a Eletrobras somou 1.035 MW a sua capacidade, aumento de 4%. Entraram em operação duas unidades geradoras na usina de Belo Monte e uma na UHE Sinop.

O indicador dívida líquida/ebitda ajustado ficou em 1,8 vez, superando a meta da companhia de ficar abaixo de três vezes. A Eletrobras destacou ainda que também registrou melhor desempenho no Programa Destaque em Governança de Estatais da B3, passando de 50 para 56 pontos, sendo 60 a pontuação máxima.

 

Fonte: Canal Energia.

A estatal Furnas, subsidiária da Eletrobras, está em busca de eventuais parceiros para disputar um leilão do governo federal em dezembro que oferecerá concessões para a construção de novos projetos de transmissão de energia, segundo informações publicadas no site da companhia ontem.

O apetite, se concretizado, marcaria o retorno de Furnas às licitações após seis anos. A companhia arrematou o último projeto em leilões de transmissão em dezembro de 2013 e, desde então, chegou até a ser vetada em algumas concorrências pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) devido ao atraso excessivo em empreendimentos no setor.

A ausência ainda aconteceu em meio a dificuldades financeiras do grupo Eletrobras como um todo. Depois de uma acelerada expansão dos investimentos e de participações agressivas nos certames do governo até o final de 2014, Furnas e outras subsidiárias da estatal, como Chesf, Eletrosul e Eletronorte, ficaram fora das licitações nos últimos anos.

Agora, Furnas apontou que busca “empresas investidoras, instituições financeiras ou FIPs (fundos de investimento em participações) interessadas em constituir parceria, em forma de consórcio ou SPE (sociedade de propósito específico) para participar do leilão de transmissão”.

Possíveis interessados terão até as 18h do dia 30 de outubro para se cadastrar, segundo comunicado publicado no site da elétrica. Procurada, Furnas não comentou de imediato sobre o interesse no leilão.

Reestruturação – O movimento da elétrica em busca de parceiros para a licitação de dezembro acontece em meio a uma melhoria recente nos resultados da Eletrobras, que passa por amplo processo de reestruturação desde meados de 2016, com a posse do ex-CEO da CPFL Energia, Wilson Ferreira Jr, como presidente-executivo da companhia.

Após ter vendido empresas deficitárias de distribuição no Norte e Nordeste e realizado planos de demissão, a Eletrobras registrou lucro líquido de R$ 6,9 bilhões nos primeiros seis meses de 2019, após lucro histórico de R$ 13,3 bilhões no ano completo de 2018, o melhor resultado em 20 anos.

A Eletrobras chegou a somar prejuízos de mais de R$ 30 bilhões entre 2012 e 2015, na sequência de um pacote de medidas do governo da então presidente Dilma Rousseff para baixar as contas de luz, que teve como resultado forte corte nas receitas da companhia.

O próximo leilão de projetos de transmissão, agendado para 19 de dezembro pela Aneel, oferecerá 12 lotes de empreendimentos, que deverão demandar cerca de R$ 4,1 bilhões em aportes nos próximos anos.

Os projetos envolverão obras nos estados do Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo. 

Fonte: Diário do Comércio

 

A Tijoá executou a descida do rotor do gerador da quarta unidade geradora da Usina Hidrelétrica Três Irmãos. A operação ocorreu hoje (22/10) e foi muito importante para o cronograma da manutenção preventiva periódica. O rotor do gerador é um dos equipamentos mais fundamentais para gerar energia em uma usina hidrelétrica.

 

tijoá   Os diretores da Tijoá, Newton Sucupira e Luiz Manara, se reuniram com o gerente da UHE Três Irmãos, Ruy Bicego e os demais colaboradores para acompanhar a descida do rotor da UG 04. 

O Futebol de Rua com o patrocínio da TIJOÁ fez parte do evento em comemoração ao Dia da Criança, realizado pela Prefeitura de Ilha Solteira (SP), através do Departamento de Turismo. O evento aconteceu no dia 12 de outubro, no período da manhã na Cidade da Criança e contou com a presença de aproximadamente 4.500 moradores da cidade.

Durante toda a manhã de sábado, as crianças puderam se divertir e aproveitar toda a estrutura de recreação da cidade da criança, contando com a apresentação de um palhaço, distribuição de pipoca, algodão doce e picolé.

O instituto Futebol de Rua com seus dois colaboradores, Saimon Avelino e Thiago Filla, ficou responsável por toda a atividade e recreação esportiva no campo do local. Sempre levando um formato diferenciado e exclusivo que visa sobretudo o jogo limpo, a beleza do jogo (dribles valem mais pontos que gol) e o protagonismo (com o jogo arbitrado pelos próprios jogadores).

foto notícia Tijoá IIInstrutor Saimon Avelino demonstra uma jogada de "Free Syle" para as crianças.

Rodas de conversa foram dialogadas com as crianças abordando as regras do jogo e os motivos que nos levavam a propor este formato. Ao final, muitas palavras positivas por parte da comunidade de Ilha Solteira ressaltaram o valor de nossos objetivos, como o resgate da beleza do futebol, a importância do esporte no desenvolvimento de crianças e adolescentes e a alegria por participar de um jogo que incentiva a criatividade.

A data de hoje (10/10/2019) é especial para a Tijoá. Há cinco anos a empresa administra e opera a Usina Hidrelétrica Três Irmãos. A trajetória até aqui trouxe muitas conquistas  e a empresa está cada vez mais consolidada no setor de energia. 

Esse sucesso foi construído pelo empenho de seus colaboradores ao longo desses anos e será essencial para a superação de futuros desafios.

 

Em comemoração ao mês do meio ambiente, a Tijoá convidou os filhos de seus colaboradores para visitarem a Usina Hidrelétrica Três Irmãos e participarem junto com seus pais das atividades programadas com o intuito de apresentar os Programas Ambientais desenvolvidos pela concessionária e conscientizar as crianças sobre os cuidados com o meio ambiente.

A Coordenadora de Meio Ambiente, Sabrina Laurito, ministrou uma palestra explicando os motivos para a preservação do Meio Ambiente e as ações de Gestão Ambiental exigidas na Licença de Operação da UHE Três Irmãos para que sua operação não prejudique o meio ambiente. Dentre elas, podemos citar o Monitoramento da Fauna, da Flora e da Qualidade da Água, o Manejo Pesqueiro e o Reflorestamento.

As crianças também receberam o jogo "Tietando a Energia" logo após a apresentação do Analista de Meio Ambiente, Cristiano Laluce, que explicitou que o objetivo do entretenimento consiste em ensinar de forma lúdica e colaborativa as características ambientais do reservatório e a produção de energia na UHE Três Irmãos. 

Para finalizar as atividades, as crianças juntamente com os colaboradores da Tijoá estreitaram ainda mais o contato com o meio ambiente com o plantio de mudas de árvores nativas.

Educação Ambiental


A Facmol Orquestra de Sopros e Percussão, empresa apoiada pela Tijoá, apresentará o espetáculo Soprando Raízes no próximo dia 05 de julho na abertura oficinal do 63º Jogos Regionais na cidade de Andradina (SP). O evento será realizado no Estádio Evandro Brembatti Calvoso, às 20h.

Será a terceira apresentação do espetáculo Soprando Raízes, que contará com mais de 70 integrantes entre corpo instrumental e coreográfico, com repertório que contempla temas de filme e um tributo à música caipira e sertaneja.

FACMOLPrimeira apresentação do grupo Facmol, realizada na cidade de Itapura (SP).

Facmol participará da abertura dos 63º Jogos Regionais em Andradina

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) autorizou o repasse de R$ 105,4 milhões do Fundo Reserva Global de Reversão (RGR), a título de empréstimo, às concessionárias designadas para a prestação do serviço público de distribuição de energia elétrica.

Os valores vão beneficiar os consumidores atendidos pelas empresas Amazonas Energia D (R$ 44,3 milhões), Boa Vista Energia (R$ 23,7 milhões), Cepisa (R$ 9,3 milhões), Ceron (R$ 15,5 milhões) e CEA (R$ 12,4 milhões), segundo despacho publicado no Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira, 8 de fevereiro.

O termo “designadas” é porque essas distribuidoras são operadas pela Eletrobras, porém os contratos de concessão das áreas já foram devolvidos para a União. A assunção por um novo investidor dessas áreas depende do sucesso do processo de privatização da Eletrobras, em andamento pelo Governo Federal.

Cabe à Câmara de Comercialização de Energia averiguar a disponibilidade de caixa na RGR para eventual redução proporcional dos valores autorizados.

Fonte: Canal Energia

Subcategorias

Notícias

  • Budweiser vai construir parque eólico na Bahia 14/11/2019 12:13

    A cerveja Budweiser, da Ambev, terá toda sua produção e distribuição no Brasil feita 100% com energia limpa até 2022. A Bud vai construir um parque eólico na Bahia com aproximadamente 1.600 hectares e potência superior a 80 MW. A expectativa é que ele fique pronto no início de 2022 e abasteça 100% das cinco cervejarias que produzem Budweiser no país. Com essa iniciativa, no total, 20 mil toneladas de dióxido de carbono deixarão de ser emitidas a cada ano. O valor é equivalente a retirada de...

    Leia Mais...

mapa iconMAPA DO SITE - clique aqui para abrir

mapa iconMAPA DO SITE - clique aqui para fechar